Jeny

Olá Docinhos!

Pecado Capital, do Garage Burguer, é a sensação da Zona Oeste

Rio – Com certeza, os fracos de estômago irão tremer diante do monumento de 25 centímetros de altura e um quilo. Até mesmo os fígados mais resistentes hesitarão frente ao monstro de 25 centímetros de diâmetro, recheado com cerca de dois quilos dos mais variados – e gordurosos – ingredientes. Porém, aqueles que aceitarem o desafio poderão ficar cara a cara com os gigantes da gastronomia de rua do Rio na 1ª Feira Nacional do Podrão, no próximo fim de semana, na Tijuca. A estimativa é que o evento atraia, pelo menos, cinco mil bocas sedentas por uma mordida em uma dessas delícias.

O evento foi organizado pela cientista social Natália Alves, 27 anos, e a fonoaudióloga Suzanne Malta, 37, do blog ‘Onde comer no Rio’. “Vai ter barraca de X-Tudo, cachorro-quente, açaí, acarajé, churrasquinho no espeto, salgadinho de festa no copo, churros, pastel com refil de caldo de cana, caldos, sopas e batata frita de Marechal Hermes”, contou Natália, reconhecendo que o termo podrão até pode assustar quem não vive no Rio. “Mas o carioca está acostumado. Podrão é a forma carinhosa de se referir à comida. Ninguém nasceu comendo hambúrguer gourmet. Temos que valorizar essa comida e não tem porque esconder o nome podrão”.

Entre as sensações do evento, o gigantesco cachorro-quente ‘Colosso’ e o titânico X-Tudo ‘Tenebroso’, obras dos irmãos Thiago e Francisco Fonseca, da barraca Bebezões, em Rio das Pedras. Eles montaram o negócio há dois anos, quando estavam desempregados, oferecendo sanduíches convencionais. No entanto, um sonho mudou os rumos do trabalho. “Meu irmão sonhou que tinha sido engolido por um hambúrguer gigante”, disse Thiago. A partir dai, eles investiram nos mega podrões. “Um amigo lançou um desafio: quem comer o Colosso ou Tenebroso sozinho, ele paga R$ 100, mas até agora ninguém aceitou”, destacou Thiago.

A feira será no sábado e domingo, na Rua Morais e Silva 94, na Tijuca. A entrada é franca.

Em Campo Grande, um megapodrão

A garagem de uma casa em Campo Grande é o berço de um dos mais descomunais podrões do Rio. Batizado de ‘Pecado Capital’, o sanduíche leva nada menos do que sete hambúrgueres, e a mesma quantidade de ovos, queijo, presunto, fatias de bacon, além de salada, molho especial e batatas rústicas. “Tem gente que vem só para ver os outros comerem. Todos ficam abismados com o tamanho do podrão”, afirmou Ana Maria Alves, a Tia Ana, que fundou a Garage Burguer há oito anos com o marido Sandro Luís de Oliveira.

Chef defende incentivo com fiscalização

Para o chef e consultor gastronômico Eduardo Jacobson a chamada ‘baixa gastronomia’, comidas gostosas que fogem dos padrões convencionais da culinária profissional, onde se encaixa o podrão, deveria ser mais incentivada no Rio. Especialista em gastronomia asiática, Jacobson afirma que no Sudeste da Ásia, a comida de rua é muito forte. “Faz parte do dia a dia do cidadão parar numa barraquinha, tomar uma sopa, um macarrão. Acho isso bacana”, disse, destacando a importância da fiscalização da higiene e segurança alimentar.

pecado_capital

 

Por: O Dia

Doces Abraços Docinhos!

 

Compartilhe!


Me segue pela internet

E não deixe de comentar

COMENTÁRIOS

Nalu Beniz

Sou Ana Luiza Beniz.Carioca,Gastronôma, Confeiteira e Blogueira de Gastronomia.Seja bem-vindo ao Cozinhando Sempre Bela, meu Docinho!